GEOGRAFIA CULTURAL NOS ANOS DE CHUMBO: A INFLUÊNCIA DA SANTA IGREJA E O PROTESTO MUSICAL A PARTIR DE 1964

GEOGRAFIA CULTURAL NOS ANOS DE CHUMBO: A INFLUÊNCIA DA SANTA IGREJA E O PROTESTO MUSICAL A PARTIR DE 1964

Este artigo é produto de uma pesquisa que reflete sobre o período militar brasileiro, a ditadura militar, e o papel da igreja neste contexto, identificando a música como forma de expressão social deste momento. A perspectiva de análise é a da geografia cultural destacando as manifestações culturais...

Saved in:
Journal Title: Caminhos de Geografia
First author: Lucas Jurado Taoni
Other Authors: Wilson Martins Lopes Junior
Palabras clave:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16420
Resource type: Journal Article
Source: Caminhos de Geografia; Vol 12, No 38 (Year 2011).
Publisher: Universidade Federal de Uberlândia
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial - SinObraDerivada (by-nc-nd)
Categories: Physical/Engineering Sciences --> Ecology
Physical/Engineering Sciences --> Environmental Sciences
Life Sciences --> Soil Science
Abstract: Este artigo é produto de uma pesquisa que reflete sobre o período militar brasileiro, a ditadura militar, e o papel da igreja neste contexto, identificando a música como forma de expressão social deste momento. A perspectiva de análise é a da geografia cultural destacando as manifestações culturais espaciais da época, ou seja, a música popular no Brasil e a possível relação da Igreja Católica no Golpe Militar que, do dia para noite, fez pessoas dormirem “Janguistas” e acordarem ditadores. Além de todo o referencial histórico, há a sustentação geográfica com os seus conceitos, em especial espaço geográfico, que são fundamentais para justificar os argumentos deste artigo. A história trouxe uma síntese no sentido factual dos acontecimentos, mas para estudar os fenômenos, que decorrem do tempo vivido, utilizou-se a Geografia enfocando as relações entre sociedade de natureza mecânica e política. Deste modo a história compõe uma estrutura de transformação produtiva – reorganização social para o “milagre econômico” – e a geografia estabelece normas de funcionalidade espacial, como nos traz Milton Santos: processo, função, estrutura e forma. Dentre outros aspectos, notou-se a música como forma de protesto entendida com voz da subversão e das utopias sociais, assim como a igreja apresentou-se contraditória em face de diferentes interesses. Também constatou-se que o povo possui suas trilhas de expressão cultural, como através da música. Assim canções legitimamente brasileiras evidenciaram a expressão de indignação dos cidadãos amordaçados pelo extremismo ditatorial. Por fim, a Geografia mostrou-se eficiente em visualizar as relações entre a sociedade e a natureza pré-determinada nas transformações do “Milagre Econômico”.