A NATUREZA DO SABER: O LUGAR DO CONHECIMENTO NA PRÁXIS KATUKINA

A NATUREZA DO SABER: O LUGAR DO CONHECIMENTO NA PRÁXIS KATUKINA

O presente artigo é uma reflexão sobre a relação entre aspectos do pensamento Katukina - privilegiando suas similaridades com outros povos da família Pano-, e o ambiente florestal em diferentes planos onde esta relação é constituída. Partindo de um plano mitológico onde este se entrelaça com a práxi...

Saved in:
Translated title: KNOWING NATURE: THE PLACE OF KNOWLEDGE IN KATUKINA’S PRÁXIS
LA NATURALEZA DEL SABER: EL LUGAR DEL CONOCIMIENTO EN LA PRAXIS KATUKINA.
Journal Title: Espaço ameríndio
Author: Paulo Roberto Homem de Góes
Palabras clave:
Language: Portuguese
Get full text: https://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/2560
Resource type: Journal Article
Source: Espaço ameríndio; Vol 1, No 1 (Year 2007).
DOI: http://dx.doi.org/10.22456/1982-6524.2560
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Usage rights: Reconocimiento - CompartirIgual (by-sa)
Categories: Social Sciences/Humanities --> Anthropology
Physical/Engineering Sciences, Social Sciences/Humanities --> Environmental Studies
Social Sciences/Humanities --> Archaeology
Abstract: O presente artigo é uma reflexão sobre a relação entre aspectos do pensamento Katukina - privilegiando suas similaridades com outros povos da família Pano-, e o ambiente florestal em diferentes planos onde esta relação é constituída. Partindo de um plano mitológico onde este se entrelaça com a práxis xamânica, busco uma aproximação de certas concepções sobre o que é considerado conhecimento e como se faz um sábio, para em seguida, versando sobre a relação dos Katukina com não-indígenas em diferentes contextos históricos, refletir sobre como estes saberes passam a constituir o principal viés de inserção e fortalecimento político dos Katukina no “mundo das mercadorias”.
Translated abstract: The present article is a reflection upon the relationship between the aspects of Katukina knowledge- privileging its similarities with other groups of the same indigenous linguistic family called Pano- and the forest environment by different levels where this correlation is established. From a mythological perspective where it intersects with the xamanistic praxis, I look forward not only to approach certain conceptions of what is considered knowledge and how a wise man is constituted, but also to, versioning on the relation between Katukina and non-indigenous people in different historical contexts, reflect on how these knowledge starts to become the main axis of political insertion and empowerment of Katukina people in the so-called “merchandise world.”