DESTINERRÂNCIAS DE UM “DESENREDO”

DESTINERRÂNCIAS DE UM “DESENREDO”

Jó Joaquim, personagem do conto “Desenrendo”, deTutameia,pode ser visto como um temulento, cujo destino é constantemente alterado, seja pela operação do “passado – plásticoecontraditório rascunho”, seja pelos constantes acontecimentos desviantes de suas metas traçadas. Os desvios de rotas obrigam-no...

Saved in:
Journal Title: Humanidades & Inovação
Author: Josué Borges de Araújo Godinho
Language: Portuguese
Get full text: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1137
Resource type: Journal Article
Source: Humanidades & Inovação; Vol 6, No 1 (Year 2019).
Publisher: Fundação Universidade do Tocantins
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial (by-nc)
Categories: Social Sciences/Humanities --> Humanities, Multidisciplinary
Abstract: Jó Joaquim, personagem do conto “Desenrendo”, deTutameia,pode ser visto como um temulento, cujo destino é constantemente alterado, seja pela operação do “passado – plásticoecontraditório rascunho”, seja pelos constantes acontecimentos desviantes de suas metas traçadas. Os desvios de rotas obrigam-no a reinventar a história, ou, dito com Santiago-Sobrinho, que por sua vez o diz com Nietzsche, a incorporar uma “outra verdade, uma verdade não histórica”. Joseph Hillis Miller, em “Derrida’s Destinerrance”, lembra-nos que Derrida fala de “destinerrância” como uma “possibilidade fatal de errar por não se alcançar um objetivo pré-definido temporalmente”, como lembra Sérgio Bellei, “é um destino de tal modo comprometido por errâncias que corre o risco de não atingir jamais seu ponto final”. Tal errância, como dissemos, obriga o personagem a agir contrariamente aologos, ou, a criar ummythos, racionalizado pela arbitrariedade de um narrador que põea fábula em ata. Palavras-chave: “Desenredo”; Destinerrância; (critica ao) logocentrismo.