Biopolítica, Biotecnologias e Biomedicina

Biopolítica, Biotecnologias e Biomedicina

O artigo constitui um ensaio livre no qual se busca abordar alguns aspectos ou faces das relações entre biopolítica, biotecnologias e biomedicina, perspectivando-os em referência a um quadro de fundo mais amplo, a saber: o de um niilismo eminentemente biopolítico, característico do novo capitalismo...

Guardado em:
Título da revista: Revista Subjetividades
Autor: Sylvio Gadelha
Palavras chave:
Idioma: Português
Ligação recurso: https://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/5114
Tipo de recurso: Artigo de revista
Fonte: Revista Subjetividades; Vol 15, No 3 (Ano 2015).
DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.15.3.407-416
Entidade editora: Universidade de Fortaleza
Direitos de utilização: É permitida a reprodução dos artigos, desde que seja citado que foram originalmente publicados na Revista Subjetividades.
Matérias: Ciências da Saúde, Ciências Sociais e Humanidades --> Psicologia Clínica
Ciências da Saúde, Ciências Sociais e Humanidades --> Psicanálise
Ciências da Saúde, Ciências Sociais e Humanidades --> Psicologia Social
Resumo: O artigo constitui um ensaio livre no qual se busca abordar alguns aspectos ou faces das relações entre biopolítica, biotecnologias e biomedicina, perspectivando-os em referência a um quadro de fundo mais amplo, a saber: o de um niilismo eminentemente biopolítico, característico do novo capitalismo que tomou vulto aproximadamente desde a segunda metade da década de 1970, e que é neoliberal, globalizado, transnacional, financeiro e conexionista. O artigo está dividido em duas partes. Na primeira são examinados, sem pretensões exaustivas, por um lado, alguns fatores considerados relevantes ao estabelecimento de novos agenciamentos entre biopolítica e biotecnologias, e, por outro, continuidades e rupturas a serem observadas no exercício da biopolítica, na transição entre as sociedades modernas, regidas por uma lógica disciplinar, e as sociedades contemporâneas, regidas por uma lógica do controle. Os estudos e pesquisas de Nikolas Rose são, para tanto, privilegiados como intercessores importantes para as considerações feitas. Na segunda parte, por sua vez, o artigo busca descrever, caracterizar, diferenciar e comentar, mesmo que de forma sucinta, três distintas versões de “projetos imortalistas”, isto é, de projetos que envolvem uma articulação entre biopolítica, biotecnologias e biomedicina, constituídos no período que se estende do início do século XX até o nosso presente, com o intuito de driblar, contornar, evitar, ou superar a morte, isto é, a finitude humana.