A hybris como a arkhé do capital

A hybris como a arkhé do capital

Nosso artigo pretende mostrar que no entendimento de Marx, o sistema capitalista é um sistema regido pelo princípio daquilo que afronta o λόγος e o racional, por aquilo que na cultura grega era chamado de hybris e ananké: a violência insana e a necessidade incontrolável do destino. A violência é um...

Saved in:
Journal Title: Kalagatos. Revista de Filosofia
Author: Jadir Antunes
Language: Portuguese
Get full text: http://kalagatos.com.br/index.php/kalagatos/article/view/297
Resource type: Journal Article
Source: Kalagatos. Revista de Filosofia; Vol 14, No 3 (Year 2017).
DOI:
Publisher: Universidade Estadual do Ceará
Usage rights: Reconocimiento (by)
Subjects: Social Sciences/Humanities --> Philosophy
Abstract: Nosso artigo pretende mostrar que no entendimento de Marx, o sistema capitalista é um sistema regido pelo princípio daquilo que afronta o λόγος e o racional, por aquilo que na cultura grega era chamado de hybris e ananké: a violência insana e a necessidade incontrolável do destino. A violência é um princípio do capital que faz parte tanto de sua gênese histórica quanto de seu desenvolvimento moderno. A violência originária do capital inglês dos séculos XIV-XVII sobre o campesinato semi-feudal forma a pré-história do capital. A continuidade desta violência sobre os povos atrasados forma a história moderna do capital. Num caso, a violência atua para formar o primeiro capital, o capital original, noutro caso, atua para desenvolver e universalizar seu conceito. Em ambos, a violência é inevitável e inseparável do capital.
Translated abstract: Our article intends to show that in Marx's understanding, the capitalist system is a system governed by the principle of what confronts the λόγος and the rational, by what in Greek culture was called hybris and ananké: insane violence and the uncontrollable need of fate. The violence is a principle of the capital. It makes part so much of its historical genesis as of its modern development. The original violence of english capital of the centuries XIV-XVII on the semi-feudal peasant make the pre-history of the capital. The continuity of this violence on the non capitalist nations makes the modern capital’s history. In a case the violence acts to make the first and original capital, in another case to develop and universalizing its concept. In both cases, the violence is inevitable and inseparable of the capital.