A memória religiosa entre estética e política: o «Magnificat» de João Madureira

A memória religiosa entre estética e política: o «Magnificat» de João Madureira

Este estudo insere-se numa linha de pesquisa que procura caracterizar os usos estéticos da memória religiosa na cultura contemporânea. A obra musical «Magnificat, ou a insubmissa voz» de João Madureira (2014) é o objeto de estudo, duplamente contextualizado: no quadro do programa expositivo em que a...

Saved in:
Journal Title: REVER. Revista de Estudos da Religião
First author: Alfredo Teixeira
Other Authors: Luísa Almendra
Palabras clave:
Traslated keyword:
Language: Portuguese
Get full text: https://revistas.pucsp.br/index.php/rever/article/view/37373
Resource type: Journal Article
Source: REVER. Revista de Estudos da Religião; Vol 18, No 1 (Year 2018).
DOI:
Publisher: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Usage rights: Reconocimiento (by)
Categories: Social Sciences/Humanities --> Religion
Abstract: Este estudo insere-se numa linha de pesquisa que procura caracterizar os usos estéticos da memória religiosa na cultura contemporânea. A obra musical «Magnificat, ou a insubmissa voz» de João Madureira (2014) é o objeto de estudo, duplamente contextualizado: no quadro do programa expositivo em que a obra se integra, e no confronto com outras leituras exegéticas do texto protocristão. O estudo mostra que o compositor privilegia a semântica política do texto. O trabalho composicional segue a via de uma universalização da mensagem, desvinculada do habitat comunitário, ritual e orante, que caracteriza a sua vivência religiosa. Nesta operação, o compositor torna-se, no entanto, agente – com autonomia – de um processo de transmissão cultural de uma memória religiosa.
Translated abstract: This study is part of research topic that seeks to characterize the aesthetic uses of religious memory in contemporary culture. The object of the study is the musical work "Magnificat, or the non-submissive voice" by João Madureira (2014), doubly contextualized: within the framework of an exposed program in which the work is integrated, and in the confrontation with other exegetical readings of the proto-Christian text. The study shows that the composer privileges the political semantics of the text. Compositional work follows the path of a universalization of the message, unrelated to the communitarian, ritual and prayerful habitat that characterizes their religious experience. In this operation, the composer becomes, nevertheless, agent - with autonomy - of a process of cultural transmission of a religious memory.