Marcha, soldado!

Marcha, soldado!

“Marcha, soldado…”. A marcha continua veemente, cantigas de roda transformadas em cantigas de liberdade… “Marchons! Marchons!” Brincadeiras bélicas transformadas em sangue. É a guerra que deveria ser justa, como se pudesse existir uma guerra justa.

Guardado em:
Título da revista: Revista Espaço Acadêmico
Autor: Celuy Roberta Hundzinski
Palavras chave:
Idioma: Português
Ligação recurso: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/37642
Tipo de recurso: Artigo de revista
Fonte: Revista Espaço Acadêmico; Vol II, No 23 (Ano 2003).
DOI:
Entidade editora: Universidade Estadual de Maringá
Direitos de utilização: Reconocimiento - NoComercial (by-nc)
Matérias: Ciências Sociais e Humanidades --> Antropologia
Ciências Sociais e Humanidades --> Ciências Políticas
Ciências Sociais e Humanidades --> Sociologia
Resumo: “Marcha, soldado…”. A marcha continua veemente, cantigas de roda transformadas em cantigas de liberdade… “Marchons! Marchons!” Brincadeiras bélicas transformadas em sangue. É a guerra que deveria ser justa, como se pudesse existir uma guerra justa.