Economia criativa, cidades criativas: casos Latino-Americanos

Economia criativa, cidades criativas: casos Latino-Americanos

O contínuo investimento no desenvolvimento criativo das cidades parte de um entendimento da vida nas cidades como fonte inesgotavelmente rica e dinâmica, tanto para o desenvolvimento humano como econômico. A partir da hipótese que uma cidade pode se tornar paulatinamente mais criativa através da art...

Guardado en:
Título de la revista: Diálogo com a Economia Criativa
Primer autor: Carolina Gallo Garcia
Otros autores: Stefano Florissi Florissi
Palabras clave traducidas:
Idioma: No especificado
Enlace del documento: http://dialogo.espm.br/index.php/revistadcec-rj/article/view/107
Tipo de recurso: Documento de revista
Fuente: Diálogo com a Economia Criativa; Vol 2, No 5 (Año 2017).
DOI: http://dx.doi.org/10.22398/2525-2828.2538-56
Entidad editora: Escola Superior de Propaganda e Marketing
Derechos de uso: Reconocimiento (by)
Materias: Ciencias Sociales y Humanidades --> Ciencias Sociales
Ciencias Sociales y Humanidades --> Arquitectura
Ciencias Sociales y Humanidades --> Arte
Resumen: O contínuo investimento no desenvolvimento criativo das cidades parte de um entendimento da vida nas cidades como fonte inesgotavelmente rica e dinâmica, tanto para o desenvolvimento humano como econômico. A partir da hipótese que uma cidade pode se tornar paulatinamente mais criativa através da articulação de sua comunidade e soluções governamentais, o presente trabalho visa apontar novas possibilidades e caminhos para o desenvolvimento com base em uma revisão teórico-metodológica de estudos sobre cidades criativas e dois estudos de caso de cidades latino-americanas que atuaram ativamente em suas renovações criativas: Buenos Aires, Argentina e Medellín, Colômbia. Ao final do artigo, buscamos compreender como tais exemplos podem auxiliar à reflexão do caso da cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Com o intuito de propiciar um debate de ideias mais aprofundado, este artigo se deterá em questões mais pragmáticas sobre modelos de planejamento urbano apoiados prioritariamente em atividades culturais, buscando evidenciar o potencial gerador de bem-estar social e econômico da cultura, bem como proporcionar subsídios teórico-práticos que justifiquem a priorização de ações na agenda de políticas públicas direcionadas ao aumento da produção local de bens simbólicos.