QUAESTIO FACTI: UMA CRÍTICA À TEORIA FUNDERENTISTA DE SUSAN HAACK

QUAESTIO FACTI: UMA CRÍTICA À TEORIA FUNDERENTISTA DE SUSAN HAACK

O funderentismo, teoria epistemológica concebida por Susan Haack, baseia-se na noção de inferência justificada. A teoria tem perfil conciliador: integra a ideia de processo de partes com uma perspectiva que não repele a interação do juiz com a prova. Haack é representante do realismo moderado, o qua...

Saved in:
Journal Title: Revista de Direito Penal, Processo Penal e Constituição
Author: Marcelo Meireles Lobão
Palabras clave:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.indexlaw.org/index.php/direitopenal/article/view/3932
Resource type: Journal Article
Source: Revista de Direito Penal, Processo Penal e Constituição; Vol 4, No 1 (Year 2018).
DOI: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0200/2018.v4i1.3932
Publisher: Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial (by-nc)
Categories: Social Sciences/Humanities --> Social Sciences, Interdisciplinary
Abstract: O funderentismo, teoria epistemológica concebida por Susan Haack, baseia-se na noção de inferência justificada. A teoria tem perfil conciliador: integra a ideia de processo de partes com uma perspectiva que não repele a interação do juiz com a prova. Haack é representante do realismo moderado, o qual se contrapõe ao relativismo filosófico pós-moderno, que nega a possibilidade de juízos cognitivos de aproximação da verdade. Mas a teoria não é isenta de críticas, notadamente a fragilidade da concepção coerencial. O critério independência-multiplicidade de fontes de prova, aliado ao método de encadeamento inferencial (Toulmin), apresenta-se como uma via epistêmica mais promissora